Noticias Novo Portal Noticias Novo Portal

Retornar para página inteira

Notícia

Educação
MPRJ ajuíza ACP contra Estado do Rio de Janeiro pelo não cumprimento do investimento mínimo em Educação
Publicado em 2018-03-13 15:16:03.325 - Atualizado em 2018-03-13 15:15:43.0

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) ajuizou, por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Proteção à Educação da Capital, ação civil pública (ACP) em face do Governo do Estado no Rio, a ser citado na pessoa do governador Luiz Fernando Pezão, devido ao não investimento do percentual mínimo de 25% da arrecadação na área da Educação no ano de 2017 – como previsto no art. 212, caput, da Constituição Federal. A inicial, apresentada pelo promotor de Justiça Emiliano Brunet, foi distribuída à 4ª Vara de Fazenda Pública na última sexta-feira (09/03), sob o número 0054872-30.2018.8.19.0001.

A ACP aponta ainda outras irregularidades cometidas pelo governo do Estado do Rio no exercício do ano passado, tais como a ausência de conta específica para o repasse dos devidos recursos, a inadequada forma de cômputo das despesas em educação para os fins de atingimento dos 25% exigidos, o que resulta no cumprimento puramente contábil, sem efetiva realização da despesa; a equivocada forma de administração financeira dos recursos do salário-educação, depositados em conta da Secretaria de Estado de Fazenda; além da indevida transferência de recursos do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) para a conta única do Tesouro.

O MPRJ aponta que a conduta administrativa do Executivo fluminense, além de ir contra a previsão legal e promover a confusão de recursos de naturezas distintas em conta única, gerida pela Secretaria de Fazenda, compromete o financiamento da Secretaria de Estado de Educação, impondo às unidades gestoras de recursos da área sérias dificuldades de planejamento, além de gerar falta de garantia e previsibilidade de que os compromissos assumidos serão efetivamente honrados. Alerta a ação que os níveis de investimento mostram-se pífios, ano após ano, se considerado o montante total da despesa. Alega-se, ainda, que os restos a pagar em manutenção e desenvolvimento do ensino vêm crescendo em proporção geométrica nos últimos exercícios financeiros, concluindo-se que a não reversão dessa política poderá gerar o agravamento da crise já existente no setor.

Em razão de todos estes fatos, requer a ACP que seja deferida, em tutela de urgência, a expedição de ordem ao Governo do Estado para que respeite as regras de financiamento da educação, em tempo hábil para corrigir as ilegalidades ainda no exercício financeiro deste ano. Pede-se ainda a recomposição devida do patamar constitucional de 25% no exercício passado, a abertura de conta ou contas setoriais específicas da Educação (além daquelas destinadas ao Fundeb, salário-educação e outros recursos), e que Estado do Rio se abstenha de transferir os recursos do Fundeb para a conta do Tesouro, prevendo, no caso da concessão da tutela, a cobrança de multa diária a ser fixada pelo juízo, inclusive em caráter pessoal ao gestor em caso de recalcitrância, sem prejuízo de outras medidas a serem adotadas pelo Juízo que assegurem o provimento prático dos pedidos.

educação
fundeb
pezao
investimento minimo
375 VISUALIZAÇÕES*
*Fonte: Google Analytics
(Dados coletados diariamente)
Compartilhar