Noticias Novo Portal Noticias Novo Portal

Retornar para página inteira

Notícia

Execução Penal
MPRJ participa, em Brasília, de debates sobre sistema prisional e controle externo da atividade policial
Publicado em 2018-09-13 21:46:07.845 - Atualizado em 2018-09-14 12:44:04.0

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) participou, na quarta-feira (12/09), do VIII Encontro Nacional do Ministério Público no Controle Externo da Atividade Policial (ENCEAP) e do IX Encontro Nacional do Ministério Público no Sistema Prisional (ENSP), eventos realizados pela Comissão do Sistema Prisional, Controle Externo da Atividade Policial e Segurança Pública do Conselho Nacional do Ministério Público (CSP/CNMP). A instituição foi representada pelas promotoras de Justiça Andrezza Duarte Cançado, coordenadora do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Execução Penal (CAO Execução Penal/MPRJ), Roberta Maristela, subcoordenadora do CAO Criminal/MPRJ, e Cláudia Türner, do Grupo de Atuação Especializada em Segurança Pública (GAESP/MPRJ).

Ambos os eventos foram realizados no Instituto Serzedello Corrêa, em Brasília/DF. O objetivo do IX ENSP é fomentar o debate sobre o fenômeno do encarceramento no Brasil e das medidas alternativas penais, abordando, de maneira prática, a interseção da política de drogas nesta questão. A proposta do VIII ENCEAP é discutir a atuação do Ministério Público brasileiro na formulação de políticas de segurança pública.

“É preciso refletir sobre o que a sociedade reclama de nós. É preciso que as iniquidades que observamos nos estabelecimentos prisionais movam a redefinição de práticas. É necessário que a crise de segurança pública que assola muitas de nossas cidades nos faça desenvolver novas estratégias de atuação. Por isso, estes encontros destinam-se a resgatar a unidade do Ministério Público, para que possamos, juntos, refletir sobre os caminhos alternativos para os novos ou insistentes desafios na atividade policial e no sistema carcerário”, disse o presidente da CSP/CNMP, conselheiro Dermeval Farias, na abertura dos eventos.

Mediadora do painel ‘Políticas de drogas e alternativas penais: impactos no encarceramento’, com a participação de dois especialistas, Andrezza Duarte Cançado detalhou os tópicos debatidos. “Marcus Castelo Branco Alves Semeraro Rito é coordenador-geral de Alternativas Penais do Departamento Penitenciário Nacional. Em sua explanação, tratou das condições atuais de encarceramento no país e da importância da aplicação de medidas alternativas, inclusive no âmbito das prisões provisórias. E informou a todos que o Depen tem um projeto de apoiar a criação de centrais de alternativas penais”, resumiu.

“Já o promotor de Justiça do Distrito Federal e Territórios, José Theodoro Corrêa de Carvalho, reconhecido estudioso da política de combate às drogas, nos mostrou a importância de todos os agentes ministeriais que atuam nas áreas criminais e de execução penal entenderem que o maior índice de pessoas encarceradas está justamente naquelas que cometeram o delito de tráfico de entorpecentes, por ser este um crime de muitos, visto que ninguém trafica sozinho. Para atacar o problema, ele diz que é preciso compreender como funciona o universo das drogas como um todo, isto é, desde a sua produção, passando pelos locais onde as substâncias são produzidas, como se dá a dependência química e quais as drogas existentes no mercado”, relatou a coordenadora do CAO Execução Penal/MPRJ.

A promotora Roberta Maristela também comentou sobre ambos os eventos. “Na condição de encontro anual, eles nos permitem observar a importância e atualidade da temática política de segurança pública em meio ao controle externo da atividade policial. Cada vez mais se observa a importância do protagonismo do MP no fomento ao desenvolvimento de políticas de segurança pública coerentes e em rede, como única forma de promover a redução da criminalidade violenta”, apontou, destacando que os debates no tocante ao controle externo se estenderam pelas temáticas ‘Participação do MP nos colegiados de gestão de políticas públicas de segurança’ e ‘Importância dos dados estatísticos no mapeamento da criminalidade’.

“As reuniões no CNMP mostraram sintonia da instituição com um modelo de gestão dinâmico e sustentável. Os debates trouxeram temas que estão na ordem do dia dos MPs estaduais. Com relação ao controle externo da atividade policial, também foram destaque a elaboração de diagnósticos e a maior integração com a sociedade civil, além da construção de bases compartilhadas de inteligência. Foram travadas discussões sobre a importância de se avançar em ações de tutela coletiva de segurança pública, com o objetivo de fomentar a elaboração de políticas de segurança pública mais eficientes”, complementou Cláudia Türner.

Por fim, o presidente da CSP/CNMP ressaltou a importância do máximo planejamento para a construção do que se deseja para o futuro do Ministério Público. “Nem sempre poderemos fazer mais concursos e nomear novos membros. Por isso, devemos aprender a otimizar nossa atuação, sobretudo nas áreas prioritárias, como a segurança pública. Nossas atribuições e tarefas exigirão planejamento para que não fiquemos sobrecarregados e sigamos atendendo ao disposto na Constituição Federal”, concluiu Dermeval Farias, que ainda defendeu que os MPs devem incrementar seu poder de articulação com outras instituições, a fim de que a inteligência e as forças somadas possam conduzir à resolução de problemas que, sozinhos ou pela simples judicialização, eles não consigam resolver.
 

cnmp
mprj
sistema prisional
gaesp mprj
csp cnmp
alternativas penais
cao execução penal mprj.
cao criminal mprj
273 VISUALIZAÇÕES*
*Fonte: Google Analytics
(Dados coletados diariamente)
Compartilhar