Noticias Novo Portal Noticias Novo Portal

Retornar para página inteira

Notícia

Meio Ambiente
MPRJ participa de audiência pública na Câmara do Rio para debater regularização de prédios na Muzema
Publicado em 13/08/2019 12:31 - Atualizado em 13/08/2019 12:31

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa do Meio Ambiente e do Patrimônio Cultural (CAO Meio Ambiente/MPRJ), participou, na manhã de segunda-feira (12/08), de audiência pública na Câmara Municipal do Rio. Convocada pela Comissão Especial de Moradia, a audiência discutiu a situação dos prédios da comunidade da Muzema, na zona Oeste da cidade, onde o desabamento de dois edifícios irregulares, em abril deste ano, deixou 24 mortos. O encontro lotou o Plenário da Câmara, com vereadores, autoridades e, sobretudo, moradores da região, em especial do condomínio Figueiras do Itanhangá.

A questão central do debate foi a regularização de prédios na comunidade, em especial diante da decisão da Prefeitura do Rio de demolir as construções no entorno daqueles que ruíram há cerca de quatro meses. Durante o encontro, foi elaborado documento de acordo entre os moradores da Muzema e a Prefeitura. Segundo o vereador Reimont, que presidiu a audiência, o texto do acordo reflete acerto verbal estabelecido entre as partes em reunião realizada anteriormente. Pela proposta, que ainda precisa ser formalizada, com a assinatura oficial do termo, a administração municipal assume o compromisso de somente remover famílias de suas residências quando constatar tecnicamente que, de fato, há perigo de desabamento das unidades habitacionais.

Coordenador do CAO Meio Ambiente/MPRJ, o promotor André Dickstein iniciou sua fala na audiência esclarecendo não ser o promotor natural da causa, o que o impede de falar em concreto sobre o caso Muzema. No entanto, sugeriu que os debates sobre a questão das moradias na comunidade fossem pensados à luz de quatro eixos: a sensibilidade para com a questão social do déficit habitacional na cidade; a responsabilidade para com a segurança das edificações e das vidas humanas associadas; a consciência em relação à preservação ambiental para as presentes e futuras gerações; e o compromisso com o combate à impunidade, pois alguns poucos não podem lucrar às custas da atividade de construções irregulares e a desgraça alheia, com ameaça real à vida dos moradores.

Quando aberta a fala ao público, somaram-se diversos relatos do sofrimento humano e a reivindicação de direitos fundamentais por parte dos moradores locais. Reivindicou-se, também, que haja laudos de engenharia específicos para cada edificação, para delimitação do risco real de desabamento. Ex-presidente da Comissão de Moradores da Muzema, Leandro Correa apontou problemas de drenagem nas ruas. Por sua vez, o vereador Thiago Ribeiro ressaltou a necessidade de que a comunidade seja contemplada com a segunda fase do projeto ‘Bairro Maravilha’, com cerca de R$ 3 milhões – recursos que seriam essenciais para a segurança da população, ante o assoreamento dos rios que cortam os terrenos.

O debate foi conduzido pelos vereadores Reimont e Veronica Costa, respectivamente presidente e relatora da Comissão Especial de Moradia da Câmara de Vereadores. Estiveram presentes na mesa de honra a coordenadora do Núcleo de Terras e Habitação da Defensoria Pública do Estado Rio de Janeiro, Maria Julia Miranda; o procurador-geral do Município, Marcelo Silva; o representante da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação, Marcelo Reis; e as representantes da Comissão de Moradores da Muzema, Mayra Lima e Viviane Oliveira.

meio ambiente
mprj
audiência pública
cao meio ambiente
muzema
câmara municipal do rio
102 VISUALIZAÇÕES*
*Fonte: Google Analytics
(Dados coletados diariamente)