Noticias Novo Portal Noticias Novo Portal

Retornar para página inteira

Notícia

Criminal
Petrópolis
MPRJ obtém na Justiça recebimento da denúncia contra cinco vereadores da Câmara de Petrópolis, que continuam afastados
Publicado em 14/02/2020 12:02 - Atualizado em 14/02/2020 12:02

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio da Subprocuradoria-Geral de Justiça de Assuntos Criminais e de Direitos Humanos (SUBCDH/MPRJ), teve aceita pelo 1º Grupo de Câmaras Criminais do Tribunal de Justiça do Rio, no último dia 05/02, a denúncia apresentada contra cinco vereadores de Petrópolis: Paulo Igor, ex-presidente da Câmara, “Ronaldão”, “Luizinho Sorriso”, Wanderley Taboada e Meirelles. Eles são acusados da prática dos crimes de organização criminosa e corrupção, que causaram prejuízo ao erário superior a R$ 850 mil.

O Tribunal de Justiça do Rio manteve, ainda, a decisão liminar que havia determinado o afastamento das funções públicas de todos os vereadores denunciados, bem como a proibição de comunicação entre eles e com seus ex-servidores.

Durante a operação “Sala Vip”, deflagrada em janeiro de 2019 para cumprir mandados de busca e apreensão em endereços ligados aos vereadores e empresários suspeitos de fazerem parte de um esquema de pagamento de propina em troca de favorecimento em licitações, o vereador Paulo Igor, antes de entregar o telefone celular aos agentes da lei, apagou o aplicativo Whatsapp para criar embaraço às investigações, fato que constitui crime e pelo qual foi denunciado pelo MPRJ, já tendo ocorrido, também neste caso, o recebimento da denúncia pelo TJRJ.

Batizada de “Sala VIP” em alusão ao local na Câmara onde era feita a distribuição da propina aos vereadores pelo ex-presidente da Casa, a operação foi um desdobramento da operação “Caminho do Ouro”, deflagrada em abril de 2018 e que chegou a resultar na decretação da prisão de Paulo Igor e do vereador Luiz Eduardo Francisco da Silva, o “Dudu”, além da apreensão de aproximadamente R$239 mil na residência do empresário Wilson da Costa Ritto Filho, o “Junior”, e de R$ 155 mil em dinheiro na casa do ex-presidente da Câmara. As cédulas encontradas na banheira de hidromassagem de Paulo Igor estavam divididas em 15 maços, cinco deles contendo papéis com as inscrições de apelidos e iniciais dos nomes dos vereadores denunciados.

Também na Câmara de Petrópolis, a SUBCDH/MPRJ denunciou, em junho de 2017, o vereador Pastor Sebastião e cinco servidores de seu gabinete pela prática de diversos crimes de concussão e peculato. O parlamentar, preso preventivamente, exigia o repasse de parte da remuneração de seus funcionários, além de pressioná-los a adquirirem empréstimos e repassar os valores ao vereador. O processo está em fase de diligências. Em setembro de 2017, foi ofertada denúncia em face do vereador “Dudu”, imputando-lhe diversos crimes de concussão e corrupção passiva por práticas semelhantes. O processo está na fase de instruções para a colheita dos depoimentos de testemunhas.

Por MPRJ 

denúncia
petrópolis
operação sala vip
subcdh
140 VISUALIZAÇÕES*
*Fonte: Google Analytics
(Dados coletados diariamente)
Compartilhar